Contra os acadêmicos - livrariavozes
Buscar

Meu Carrinho ()

Finalizar Compra Continuar Comprando

Contra os acadêmicos

Escrita por Agostinho com a idade de 32 anos e imediatamente após sua conversão, a obra é um diálogo filosófico em três livros, baseado nas conversas reais ocorridas em Cassiciaco no outono de 386. O problema discutido na obra é a relação entre a felicidade e a verdade. Conduzindo o diálogo e após ouvir as ponderações e razões de Licêncio e Trigésio, Agostinho discute pessoalmente a questão com seu amigo Alípio e fornece uma série de argumentos mostrando como a verdade pode ser conhecida.

Ver mais informações

De: R$ 42,00Por: R$ 35,70

Preço a vista: R$ 35,70

Economia de R$ 6,30

Comprar
Adicionar ao carrinho

Calcule o frete e prazo de entrega.

Calcule o valor do frete e prazo de entrega para a sua região

Compartilhe:

Aproveite e Compre Junto

Detalhes do produto

Resumo

Sumário

Ficha técnica

Especificações

SumarioSumario
Livro Primeiro – Licencio E Trigesio Discutem A Respeito Do Estudo Da Sabedoria, 13
Romaniano e exortado ao estudo da sabedoria (1,1-4), 13
O que conferem a sorte e a providencia ao homem apto para a virtude, 13
Se as coisas favoraveis colaboram para o estudo da sabedoria, 14
Se as adversidades nos conduzem a sabedoria, 15
O que os levou a discussao, 16
Qual a questao tratada aqui (2,5-6), 17
Sobre o que tratam as questoes a serem demonstradas e confirmadas, 17
Se nos tornamos sabios apenas por meio da perquiricao ou pela aquisicao da verdade, 18
Se a sabedoria consiste em inquirir a verdade (3,7- 5,15), 19
a) A busca perfeita (3,7-9), 19
Recurso a autoridade de Cicero, 19
Buscando discernir a autoridade de Cicero, 20
Se o perfeito inquirir atinge seu objetivo, 21
b) O estudo da sabedoria nos previne contra o erro (4,10-12), 22
Se erra aquele que atinge o fim, 22
Se nao erra quem nao aprova o que e falso, 23
Se alguem podera alcancar a vida feliz apenas atraves do inquirir, 24
c) Se a sabedoria e certa razao inquiridora (5,13-15), 25
Se a sabedoria e o correto caminho da vida, 25
A sabedoria e a razao correta do inquirir, 26
Deve-se aprovar a sabedoria, mesmo que cada um a veja a seu modo, 27
A sabedoria e a ciencia de que coisas? (6, 8, 23), 28
Ciencia das coisas humanas e divinas, 28
Se a adivinhacao pertence a sabedoria, 28
O que dizer do adivinho Albicerio?, 29
A ciencia implica a aprovacao, 30
A adivinhacao nao pertence a sabedoria, 30
A adivinhacao e atribuida a certos animais aereos, 31
Quais seriam as coisas verdadeiramente humanas e divinas, 32
Se a sabedoria e igual a ciencia e a inquiricao, 33
Recapitulacao das afirmacoes (9,24-25), 34
Agostinho explicita toda a disputa com poucas palavras, 34
Elogio aos que discutiram, 35
Livro Segundo – Alipio Discursou Sobre As Coisas Que Agrada m Aos Acad emicos, 37
Romaniano e exortado novamente a sabedoria (1,1- 3,9), 37
O entorpecimento e a indolencia tornaram as armas dos academicos invenciveis, 37
Romaniano com sua capacidade para a virtude, 38
Atitude de liberalidade de Romaniano para com Agostinho, 39
Romaniano, servo de Deus, 40
Leitura dos livros dos platonicos e de Paulo, 40
As virtudes dos antigos sao adornadas com certo resplendor, 41
Se o amor a beleza corporea conduz para a sabedoria, 42
Se nao tens esperanca ou julgas antecipadamente criaras empecilhos para que encontres a verdade, 43
Nao encontras a nao ser que procures retamente, 44
Quais sao as coisas que agradam aos novos academicos, 44
Quais sao as coisas que Licencio e Trigesio ja haviam esclarecido, 44
Aos academicos nao agrada dar assentimento a nada, 46
Agrada aos academicos a tese de que se pode empreender qualquer coisa se se deduzir ser provavel, 47
Alipio e exortado a expor as origens da nova academia, 47
Arquesilas fundou a academia media, 48
Foi Antioco de Ascalona quem introduziu a cisao na academia, 49
Inquire-se o que seja o verossimil e o provavel (7,16-13,30), 50
Licencio tem nocao de que nao deve defender os academicos..., 50
Deleita-se nos espetaculos..., 50
...e moderado por Agostinho, 51
Se alguem que nao conhece uma pessoa conhece aquele que lhe e semelhante, 52
Nao concluiras sobre o verossimil se ignoras o verdadeiro, 53
Alipio da inicio ao dialogo, 54
Esse problema nao e questao de palavras, mas de vida, 54
Cada um ve o provavel diversamente, 55
O que e que os academicos gostam de chamar de provavel, 56
Se, a partir do provavel, visto pelos academicos..., 57
...se pode dar inicio ao estudo da sabedoria, 58
Licencio deserda dos academicos..., 59
...nao tem nocao da questao, 59
Alipio, que ainda luta em favor dos academicos..., 60
...percebe que se trata da origem da sabedoria, 61
Livro Terceiro – Agostinho Discute Se E Necessario O Assentimento A Sabedoria, 63
O sabio nao teme a sorte (1,1-2,4), 63
Recapitulacao do que se disse precedentemente, 63
O que a fortuna proporciona as necessidades da vida, 64
O sabio despreza a fortuna vivendo, 64
...e morrendo, 65
O sabio assente a sabedoria (3,5-6,13), 66
O que importa para o sabio e conhecer a sabedoria, 66
E necessario que o sabio consinta que conhece a sabedoria, 67
Licencio quer beber da Fonte Ipocrene, 69
A diferenca entre saber e ter opiniao que sabe, 69
E preciso que o sabio consinta crer ter ciencia do saber, 70
Seja que o sabio tem ciencia dele ou que ele simplesmente creia ter ciencia, a sabedoria e alguma coisa, 72
Se em cada coisa que se ve atingimos a verdade pela indicacao de um poder numinoso, 72
E necessario que o sabio assinta a verdade, 73
O que achamos e o que cremos, 74
Se o verdadeiro pode ser compreendido (7,14-9,21), 75
Aos que se dedicam a analise das partes da sabedoria..., 75
...e mais importante o ensino do que as perguntas, 76
Uma citacao de Cicero sobre o sabio academico, 76
No forum dos sabios, Agostinho, defendendo Cicero, acusa os academicos de buscar a gloria va, 78
Os academicos contendem cont
ISBN9788532648006
Dimensoes13.7cm x 21.0cm x 0.5cm
IdiomaPortugues
Edicao1
NrPaginas112

especificação

AutorSanto Agostinho ,
EditoraEditora Vozes
ColecoesTEXTOS FILOSOFICOS
Sumário
Livro Primeiro – Licêncio E Trigésio Discutem A Respeito Do Estudo Da Sabedoria, 13
Romaniano é exortado ao estudo da sabedoria (1,1-4), 13
O que conferem a sorte e a providência ao homem apto para a virtude, 13
Se as coisas favoráveis colaboram para o estudo da sabedoria, 14
Se as adversidades nos conduzem à sabedoria, 15
O que os levou à discussão, 16
Qual a questão tratada aqui (2,5-6), 17
Sobre o que tratam as questões a serem demonstradas e confirmadas, 17
Se nos tornamos sábios apenas por meio da perquirição ou pela aquisição da verdade, 18
Se a sabedoria consiste em inquirir a verdade (3,7- 5,15), 19
a) A busca perfeita (3,7-9), 19
Recurso à autoridade de Cícero, 19
Buscando discernir a autoridade de Cícero, 20
Se o perfeito inquirir atinge seu objetivo, 21
b) O estudo da sabedoria nos previne contra o erro (4,10-12), 22
Se erra aquele que atinge o fim, 22
Se não erra quem não aprova o que é falso, 23
Se alguém poderá alcançar a vida feliz apenas através do inquirir, 24
c) Se a sabedoria é certa razão inquiridora (5,13-15), 25
Se a sabedoria é o correto caminho da vida, 25
A sabedoria é a razão correta do inquirir, 26
Deve-se aprovar a sabedoria, mesmo que cada um a veja a seu modo, 27
A sabedoria é a ciência de que coisas? (6, 8, 23), 28
Ciência das coisas humanas e divinas, 28
Se a adivinhação pertence à sabedoria, 28
O que dizer do adivinho Albicério?, 29
A ciência implica a aprovação, 30
A adivinhação não pertence à sabedoria, 30
A adivinhação é atribuída a certos animais aéreos, 31
Quais seriam as coisas verdadeiramente humanas e divinas, 32
Se a sabedoria é igual à ciência e à inquirição, 33
Recapitulação das afirmações (9,24-25), 34
Agostinho explicita toda a disputa com poucas palavras, 34
Elogio aos que discutiram, 35
Livro Segundo – Alípio Discursou Sobre As Coisas Que Agrada m Aos Acad êmicos, 37
Romaniano é exortado novamente à sabedoria (1,1- 3,9), 37
O entorpecimento e a indolência tornaram as armas dos acadêmicos invencíveis, 37
Romaniano com sua capacidade para a virtude, 38
Atitude de liberalidade de Romaniano para com Agostinho, 39
Romaniano, servo de Deus, 40
Leitura dos livros dos platônicos e de Paulo, 40
As virtudes dos antigos são adornadas com certo resplendor, 41
Se o amor à beleza corpórea conduz para a sabedoria, 42
Se não tens esperança ou julgas antecipadamente criarás empecilhos para que encontres a verdade, 43
Não encontras a não ser que procures retamente, 44
Quais são as coisas que agradam aos novos acadêmicos, 44
Quais são as coisas que Licêncio e Trigésio já haviam esclarecido, 44
Aos acadêmicos não agrada dar assentimento a nada, 46
Agrada aos acadêmicos a tese de que se pode empreender qualquer coisa se se deduzir ser provável, 47
Alípio é exortado a expor as origens da nova academia, 47
Arquesilas fundou a academia média, 48
Foi Antíoco de Ascalona quem introduziu a cisão na academia, 49
Inquire-se o que seja o verossímil e o provável (7,16-13,30), 50
Licêncio tem noção de que não deve defender os acadêmicos..., 50
Deleita-se nos espetáculos..., 50
...é moderado por Agostinho, 51
Se alguém que não conhece uma pessoa conhece aquele que lhe é semelhante, 52
Não concluirás sobre o verossímil se ignoras o verdadeiro, 53
Alípio dá início ao diálogo, 54
Esse problema não é questão de palavras, mas de vida, 54
Cada um vê o provável diversamente, 55
O que é que os acadêmicos gostam de chamar de provável, 56
Se, a partir do provável, visto pelos acadêmicos..., 57
...se pode dar início ao estudo da sabedoria, 58
Licêncio deserda dos acadêmicos..., 59
...não tem noção da questão, 59
Alípio, que ainda luta em favor dos acadêmicos..., 60
...percebe que se trata da origem da sabedoria, 61
Livro Terceiro – Agostinho Discute Se É Necessário O Assentimento À Sabedoria, 63
O sábio não teme a sorte (1,1-2,4), 63
Recapitulação do que se disse precedentemente, 63
O que a fortuna proporciona às necessidades da vida, 64
O sábio despreza a fortuna vivendo, 64
...e morrendo, 65
O sábio assente à sabedoria (3,5-6,13), 66
O que importa para o sábio é conhecer a sabedoria, 66
É necessário que o sábio consinta que conhece a sabedoria, 67
Licêncio quer beber da Fonte Ipocrene, 69
A diferença entre saber e ter opinião que sabe, 69
É preciso que o sábio consinta crer ter ciência do saber, 70
Seja que o sábio tem ciência dele ou que ele simplesmente creia ter ciência, a sabedoria é alguma coisa, 72
Se em cada coisa que se vê atingimos a verdade pela indicação de um poder numinoso, 72
É necessário que o sábio assinta à verdade, 73
O que achamos e o que cremos, 74
Se o verdadeiro pode ser compreendido (7,14-9,21), 75
Aos que se dedicam à análise das partes da sabedoria..., 75
...é mais importante o ensino do que as perguntas, 76
Uma citação de Cícero sobre o sábio acadêmico, 76
No fórum dos sábios, Agostinho, defendendo Cícero, acusa os acadêmicos de buscar a glória vã, 78
Os acadêmicos contendem cont

Avaliações do Produto

Dúvidas dos consumidores

Quem viu, viu também